14.1.15

Só vivi o primeiro, ainda o vivo. Não sei se será para sempre, não sei se o para sempre existe. Talvez o para sempre seja uma pessoa, ou sejam apenas meros meses de uma vida. Não sei, nunca se sabe, não há certezas no amor como em nenhum outro campo da nossa vida. Vivo o meu primeiro amor desde os 14 anos. O meu primeiro beijo, o meu primeiro amo-te, o meu primeiro tudo foi com a mesma pessoa. Para uns não faz sentido, não se justifica ter entrado tão nova numa relação já tão longa. Dizem que não vou aproveitar a vida, que não vou poder viajar sozinha, que não tenho o meu espaço, que já não temos nada para descobrir no outro e que numa situação de mudança não nos adaptaremos. Que nos vamos cansar e a certo ponto não vai haver nada de novo. Discordo com todas as letras. O amor só se torna monótono quando as pessoas o permitem, quando se desleixam. Vivo o meu primeiro amor há cinco anos. Não quero outro, não preciso de outro, nunca o procurei noutro lugar. E sim, para mim faz sentido assim.

2 comentários:

joana disse...

:)

Lúcia disse...

nunca deixes que te digam que te vais arrepender por ter entrado tão nova numa relação tão longa. quando é amor, é amor.