22.1.15

Não tenho um coração elástico. Não o estico para me adaptar quando não me ouvem ou quando não me merecem. Podia fazê-lo, podia fazer das tripas corações e tudo suportar. Dividir-me pelos outros como se eles um dia se fossem dividir para me acolher melhor. Já o fiz, hoje não o faço mais. Diminuir quem somos só para que os outros se possam sentir melhor com eles mesmos, com a sua pequenez opcional quando com um esforço, com o mais pequeno esforço podiam ser tanto, tão mais, é um erro.

1 comentário:

Cláudia S. Reis disse...

Subscrevo todas estas palavras!