5.1.15

Houvesse um mecanismo capaz de contabilizar quais os temas e sentimentos mais escritos ao longo de todos os tempos e o desamor provavelmente venceria o amor. Nunca lhe escrevi porque nunca o senti, as dores que revolvem as entranhas e nos criam nojo de viver porque viver deixa, por uns tempos, de fazer sentido. Nunca senti este ódio visceral às circunstâncias da vida, ao amor que deixa de o ser.
Sempre fui pelo amor. Pelas declarações, pelos memórias, pelos desabafos e diários. Pequenas frases ou verdadeiras epopeias dedicadas aos heróis que amam com tudo o que têm. Gosto sempre mais de quem se inspira com as coisas boas e bonitas, sei que as outras também existem - e existem sempre-, mas cabe a cada um focar-se no que considera realmente importante.
Continuarei aqui a escrever-te, meu amor. Sempre a ti.

1 comentário:

Ana Roma disse...

Que continues a escrever ao amor durante muito tempo e que eu deixe de escrever ao desamor rapidamente!