31.12.14

2014

Sempre chega este momento. Acordar cedo e ficar unicamente a olhar para trás. Ver tudo aquilo que fiz num ano, perceber o quanto cresci, onde errei, quem me acompanhou, o que quero manter, quem quero deixar para trás, em que sentido quero melhorar. 
Quando olho para trás sinto-me outra. Cresci. Tomei controlo da minha vida e decidi por onde queria seguir. Depois de um ano tão negativo como 2013, sabia que só podia melhorar. Ainda assim foram tantos os riscos, tantas noites sem dormir a pensar nos "se", "talvez" e "mas", que houve alturas em que quase duvidei se ia ser capaz. Mas fui. Olho para trás e sinto-me a mesma pessoa. Com mais responsabilidades, que assumo e às quais me dedico. A trabalhadora-estudante sem dias de pausa, que é delegada e ainda anda na praxe. A namorada, amiga, filha e sobrinha, neta, funcionária e colega.

Nada disto faz sentido sem ter aqueles que mais amo por perto. Amigos e família, uns presença diária, outros distantes. Viva a escrita, os postais e cartas que nos alimentam a alma. Viva quem quer fazer parte, quem entende os nossos silêncios e não nos pressiona. As amizades que não são faladas durante meses, mas no momento dos reencontros continuam sempre a fazer sentido - cada vez mais sentido.


Foi um ano em que arrisquei em tentar fazer coisas que sempre ia adiando. Li mais, escrevi mais, fiz uma lista de objetivos a meio do ano e fui riscando itens. Um dos meus grandes desejos sempre foi conhecer algumas pessoas deste mundo blogosférico, dar-lhes o abraço que sempre prometi. 
Primeiro conheci a Lúcia, que aos poucos e poucos se foi demarcando. Esteve presente e acompanhou todos os meus anseios, ouviu-me e chamou-me à razão, por vezes disse coisas que me custou ouvir e agora agradeço-lhe por isso. Esteve mais presente do que os mais próximos. Juntas, para além dos lanches, vimos concertos. Juntas vivemos os dramas da entrada para o ensino superior, os dilemas que mais ninguém entendia, a ansiedade que todos os outros já esqueceram.

De seguida, e de rajada, conheci a Ana, a Mafalda e a Soraia. Não há palavras que bastem para descrever a sensação de vermos uma pessoa pela primeira vez e já nos sentirmos tão à-vontade como se nos conhecessem desde sempre. As gargalhadas são uma constante quando cinco pessoas tão diferentes se juntam. E é por isto também que estes encontros são para repetir, cada vez mais recheados.


Foi este ano, e sem contar, que surgiu a oportunidade e coragem para dar mais um passo. Um desejo que já era nosso há muito aconteceu. Foi em 2014 que fizemos a nossa primeira viagem. O destino surgiu de repente, numa tentativa de fugir à rotina e de recarregar baterias para um final de ano que se previa agitado. Só assim se pode ver a ter certezas de quem queremos a nosso lado, em horas passadas no carro a conversar, momentos em que somos nós mesmos, como em casa, com os nosso hábitos, com as nossas manias, sendo nós sem filtros. Podia ter corrido muito mal, podia ter-nos arruinado... Mas só nos fortaleceu. De tal forma que em 2015 já há viagens planeadas...
Depois de recuperar todas as energias veio o grande passo. A ansiedade. As noites sem dormir sem saber se ia conseguir ver cumprido os meus objectivos quanto à entrada no Ensino Superior. Mas consegui. Fui a primeira colocada em Administração Pública, o curso que queria. A felicidade era muita, bem como os receios. As primeiras praxes, os dias longos, as longas viagens de comboio, os dias que começavam cada vez mais cedo e eram cada vez mais exigentes. Os fins-de-semana a trabalhar, o não ter tempo para a família, para o André, mas pior ainda, não ter tempo para mim. O passar semanas sem descansar minimamente, acumular cansaços e responsabilidades, ser delegada e ter de defender interesses já sem peito para balas... Foi uma adaptação dura, que exigiu muito de mim. Foram dois primeiros meses difíceis, mas com o apoio de todos, que nunca me apontaram o dedo e em vez disso me estenderam a mão, consegui encontrar o meu ritmo. Hoje tenho mais uma família. Os colegas que se tornam, aos poucos, amigos. As amigas que já sei que serão para a vida...


Por entre a agitação dos dias, por entre o cansaço de semanas e semanas sem pausas, há quem tenha estado sempre presente. Quem já seja parte de mim. Este último apontamento é precisamente para ele. Aquele que nunca me criticou ou julgou por este ritmo alucinante a que vivo, aquele que sempre se dispõe a ir-me buscar ao trabalho pois sabe que a tarde tem de ser passada a estudar. Aquele que me leva a conhecer sítios bonitos, aquele que me arranca de casa por saber que estou a ficar desesperada. Aquele que vai comigo ao cinema, aquele que comigo come os melhores gelados, os melhores chocolates, os melhores kebab's. Aquele que sabe que apesar de tudo sou a mesma. Que o amo, que o quero, que lhe dou valor.

3 comentários:

Cláudia S. Reis disse...

Que 2015 te traga o dobro de amizade, amor, felicidade e aventura. Que 2015 te traga até Lisboa ♡♡

Lúcia disse...

depois de ler isto tudo e de ter visto o teu 2014, de ter percebido que estive presente nele, só te digo uma coisa: em 2015 tenciono estar ainda mais presente, ir a mais concertos contigo, ir a mais cidades contigo e manter-me do teu lado. foste uma grande surpresa na minha vida Mari, quero-te perto.

Ana Roma disse...

Chorando.