22.8.14

22 hábito

Não me habituo à tua ausência. Talvez por nunca a ter querido, por tanto a ter evitado, por tanto lhe ter fugido correndo até ti.. Não me rendo, não sou do desamor. Se o desamor me quiser que lute, que me prenda, que me sufoque. Eu não cedo.

3 comentários:

Hanna disse...

Assim é que é, lutar pelo que se quer!

Cláudia S. Reis disse...

Que nunca proves o desamor... O amor fica-te tão bem :)

Lúcia disse...

nunca cedas!