14.8.14

13 traço

Não me bastaria uma caixa de lápis de cor para traçar o meu caminho até aqui. Por vezes uso cor-de-rosa, outras vezes é um mar de cinzento e preto em que não se vê nada que não tristeza. O amarelo para os dias felizes, para os dias de amor. Nem sempre é um traço fino, por vezes é intermitente ou com altos e baixos. Há cores que já acabaram, outras que estão quase intactas. No fundo não podemos esperar continuidade, há mesclas, misturas de preto e laranja, amarelo com azul.

2 comentários:

Lúcia disse...

e, por vezes, as cores tristes têm também a sua ponta de felicidade, ou são as mais felizes até

Cláudia S. Reis disse...

E não faria sentido ser de outra forma :)