27.5.14

Não tenho medo do que o futuro me reserva. Tenho-o todo planeado. Não em pormenores, apenas as linhas mestras estão decididas, reservei espaço para o inesperado e para o que quero que seja surpreendente a preencher-me os dias. Gosto do que planeei, gosto de estar tranquila quanto às opções que tomei ao longo deste ano e que me permitiram crescer. Eu não tenho medo do futuro, tenho medo, sim, que o futuro não seja como eu o planeio.

1 comentário:

Lúcia disse...

sou muito decidida só às vezes. porque às vezes digo que não me arrependo de nada e outras vezes arrependo-me de tudo. entro estupidamente num contra-senso e daí eu ser um bocado (ou totalmente) feita de "vai e não vai". e este teu texto, Mari, só prova que eu preciso exatamente do que tu provavelmente precisaste há um ano: de crescer. eu tenho medo do futuro porque não fui ainda capaz de o planear. e admiro-te por teres vindo a criar as tuas convicções sobre aquilo que tu queres e que é realmente melhor para ti. e mereces que o futuro seja como o imaginas, ou que não fuja muito às tuas ambições (a resposta demorou, mas chegou)