19.1.14

«Que bom era poder fechar essas pessoas em lancheiras cor-de-rosa com cheirinho a inocência. Voltar atrás e lembrar-lhes que os abraços ainda se dão com os braços a tocar uns nos outros»
Disse-me a Bárbara Sá no texto anterior. É mesmo isso Bárbara, as pessoas esquecem-se das coisas mais simples e fantásticas da vida. Lancheiras cor-de-rosa não fazem milagres, mas ajudam a que cada um capte a sua essência. Fazes magia com as tuas palavras.

4 comentários:

mariana disse...

ohh que lindo, lindo, lindo!

Bárbara Sá disse...

Queria desenhar-te o coração na mão, com uma caneta azul - sangue azul como as princesas! - mas oh, tens um coração tão grande que teria de sair da pele e riscar o ar... Obrigada obrigada obrigada ♡

sam disse...

às vezes ha momentos sem força. Agora é um deles. Não há força para mudar ainda.

Bárbara Sá disse...

Gostava muito minha querida, e agradeço imenso o convite, mas não tenho conta no facebook...