3.1.14


Podíamos ter tido o mundo naquela noite, podíamos ter optado por sorrir sem vontade para as pessoas que não queríamos ver, mas optamos por ser estrelas. Dentro de quatro paredes, no escuro, brilhámos. Olhos bem abertos, tal como os poros. Mil sensações à flor da pele, pele com pele, alma com alma. Se não fosses tu nunca teria tirado os pés do chão e olha para nós agora, no topo, mesmo que esteja escuro, mesmo que dê medo. Somos estrelas e vamos sempre brilhar.

2 comentários:

disse...

está das coisas mais bonitas que já li Mariana! "pele com pele, alma com alma" tiraste-me o fôlego aqui. está de desmoronar qualquer coração de pedra. adorei, adorei mesmo!:)

Cláudia S. Reis disse...

E nunca, nunca mesmo, deixem de brilhar. Nunca tenham medo de estarem onde estão.