16.8.13

Por vezes olho para o vazio e revejo-me vele, não na ausência de conteúdo mas não ausência de limites. Nunca se sabe quando o vazio começa ou acaba, não se sabe nada sobre ele. Apenas que existe, e que o podemos preencher com coisas que achamos nossas. Também eu tento encontrar os limites de quem sou e do que quero.

2 comentários:

mariana disse...

compreendes o vazio, e é por isso que compreendes a vida :) gosto tanto de te ler boneca

Nina disse...

Quem somos e o que queremos são perguntas eternamente sem respostas.
Mas ainda assim, precisamos buscar.

Abraços,
Nina