20.8.13

As dores psicológicas são piores do que as físicas. O silêncio em que se multiplicam é o prato do dia e mesmo sem fome é o que vamos comendo. A sanidade mental perdeu-se enquanto o relógio tiquetaqueava mais um dia. Passou o tempo e nem o tempo curou. Passou o que de bom podia haver, por entre promessas que desde logo risquei. Conheço tudo muito bem, já cá estive, tenho cá estado demasiado tempo. Por vezes acho que é a água que me falta, a liberdade que me dava. Outras vezes reparo que o que falta é um carinho fora de tempo. Confundem a minha precaução com má-vontade e eu não me responsabilizo por interpretações. Não falhei com ninguém mas a cabeça vai doendo por entre as lágrimas de autocomiseração. Já me disseram que me faço de vítima mas acho que a vítima é o tempo. O tempo que mato, o tempo que queimo. O tempo que vomito em hobbies vagos e vazios. O tempo que perdi e que não posso recuperar. O tempo psicológico, irreal e absurdo. 

4 comentários:

Hayley S. Logan disse...

Talvez o tempo seja sinónimo de cura. E a verdade é que o tempo cura. Tarda, mas cura. :) Beijinho

Sentimentos Incontrolados disse...

Espero que sim.

mai disse...

Está maravilhoso e identifiquei-me bastante nas tuas palavras

mariana disse...

estou aqui. Estarei sempre aqui. Mesmo não física, estarei sempre aqui com força.