13.10.12

O importante é manter-mos os pés no chão e mesmo assim conseguirmos vir sempre à tona. As expectativas são sempre tão altas... Esperamos tudo dos outros e esquecemos de cumprir com a nossa parte. Não há nada assinado no amor, não há contratos, mas mesmo assim nós sentimos sempre um dever e esperamos sempre algo. Cobrámos presenças mesmo que involuntariamente. E fazemos tudo cumprir algo a que nos propusemos sem que, na verdade, alguma proposta tenha sido feita. Não me propus a fazer-te feliz nem tu o fizeste: a felicidade começou a ser trocada por si só, sem que uma vontade ou obrigação o ordenasse. Apenas tinha de ser, já não fazia sentido viver no meu mundo sem ti porque na verdade tu eras já parte dele. Não sei se o faço passar vezes suficientes. Penso sempre que tu o sabes, que um "amo-te" chega. Mas não chega. Nunca chegou. Por isso dou-te o meu mar para que o possas descobrir. Tens todo o espaço e liberdade para caminhar. Podes errar, podes temer. Sabes que em mim estarás sempre protegido. Nunca te afogarás em nada a não ser no amor. E mesmo esse será a âncora que te prende a mim e te dá sempre um motivo para amar e ficar. Um motivo para que lutes para voltar. De mim nunca sairás e aqui, em mim e em tudo o que é meu, haverá sempre uma marca tua e um espaço para ti.

7 comentários:

may rose disse...

estou como tu, espero demais dos outros, entrego-me demais.. estou magoada comigo própria. horrível sensação de derrota

Inês disse...

Muito bonito, gosto imenso da tua escrita Mariana.

Esther disse...

é complicado. mas o meu pai não morreu

Vanessa ൪ disse...

gostei *

Inês disse...

Claro, eu não corro atrás nem desespero. Penso que entendeste mal o que escrevi, não era essa a ideia que queria transmitir aos leitores. Apenas queria mostrar a pessoa sonhadora que sou!
A sério? Fico muito feliz! Qual é a música? Mudei um pouco o blog, o que achas?

Inês disse...

Ah, está bem. Obrigada!
Eu gosto da letra assim... Mas vou diminuir só um pouquinho. Está melhor assim? Dá-me a tua opinião.

Margarida disse...

tentar o quê? o impossível? já não sou menina disso... post lindo!