11.10.12

multifacetada

As dores são muitas e eu não entendo porquê. É incontrolável este desejo de mais: mais empenho, mais amor, mais atenção. O que tenho é pouco, e o que me faz falta pouco é. Porque não trocamos? Eu dou o que tenho e recebo o que quero. Mas não é isso que eu quero. Eu quero o que tenho mas com um pouco mais. Será impossível? Um carinho fora de horas, uma chamada para me sentir valorizada ou uma simples conversa a fluir naturalmente... A chuva que cai borrata a maquilhagens de quem me rodeia mas a mim ela apenas tenta limpar a alma, esvaziá-la de tudo aquilo que me preocupa. Os problemas saem e voltam mais tarde. Eles precisam de mim como eu preciso de paz. Eles consomem a minha paz e de seguida consomem-me a mim. O que eu queria hoje era correr durante horas e nem isso será possível. Estava na hora de me deixarem escrever. A mim, o outro lado. A outra voz de um ser multifacetado. Nem tudo são rosas e pérolas. Custa dar a outra face. Libertar aquilo que, à força de tanto reprimirmos, surge nos nossos sonhos e cresce todos os dias porque nos come as entranhas.

2 comentários:

Aurora disse...

claro minha querida <3

emma disse...

mereces cada palavra, acredita!
sim, vou :)