22.10.12

Gosto da chuva e gosto do perfume que fica no ar depois de chover. Gosto do vento, gosto daquele sopro que me bagunça o cabelo mas que consegue arrastar de mim as mágoas e os ressentimentos. Gosto do frio quando por perto tenho o calor que só tu me podes dar. A minha casa são os braços que me acolhem em dias de tempestade, por isso não temo que o temporal venha e destrua os meus pilares. Mas os dias cinzentos arrasam-me. Tiram-me as forças e não entendo porquê. Não gosto deles porque, na verdade, eles são o meu reflexo. Olho para o céu e vejo-me a mim: estática, agreste. Não são as nuvens que me incomodam. Não, porque eu sei que por vezes é preciso esconder aquilo que de mais belo há no mundo para que quando se dá o regresso ainda o saibamos valorizar. Mas aquela cor, aquela claridade doente e morta... mata-me por dentro a cada dia que passa. Que o meu Sol interior afaste as nuvens que me devoram.

10 comentários:

nicolemorais disse...

Meu Deus, eu peço o mesmo para mim!

Joo disse...

"Gosto do vento, gosto daquele sopro que me bagunça o cabelo mas que consegue arrastar de mim as mágoas e os ressentimentos." muito bom!

Carolina disse...

Prefiro dias luminosos e alegres :)

Aurora disse...

Se é. Como tu <3

nicolemorais disse...

Oui.

Ana disse...

Achas mesmo Mariana? :)

Maria Inês. disse...

Já está tudo bem. :)
E adorei o texto, sem dúvida que queremos todos o mesmo!

Tiz disse...

Lindo! Que amor esteja sempre no auge e que a felicidade seja o chão que pisas :)

disse...

já faltaram muitas vezes!

Blackbird disse...

Adoro o texto! Eu adoro dias de sol mas também gosto bastante de dias assim. Uma vez entre outra :)