6.10.12

Aprendi algo recentemente que me magoou muito, que me fez sofrer, mas que era necessário. Aprendi que por vezes entramos na vida de algumas pessoas para fazer um papel secundário. Foi doloroso para mim entender o porquê do tratamento diferente, o porquê da falta de interesse na minha parte, quando todas as outras partes eram tratadas com mérito e com um carinho especial. Não entendia porque servia apenas para quando as coisas más aconteciam, não entendia porque é que mesmo eu dando tudo não tinha o reconhecimento que achava justo. Mas eu percebi que naquela vida eu só tinha um papel: de intermediário para que as outras relações (as de topo, as que sempre me subjugaram) dessem certo. Vivi um ano a sofrer, a mutilar-me apenas ao lembrar que conveniência era o que ainda te puxava para mim. Sempre a última a saber de tudo, a ser convidada, a ser chamada, que passava para primeiro lugar quando as tuas prioridades de chateavam contigo, se afastavam, se cansavam de ti. Sofri muito até perceber isso. Não me conseguia afastar porque no fundo achava que era possível. Hoje eu sei que não o era. Hoje eu sei que se existi na tua vida, foi para te ajudar a dar um rumo nas relações com as tuas melhores amigas. Sempre fiquei na sombra delas, e agora eu entendo que tinha de ser assim. Se me custou perceber porque me davas sombra quando te transmitia luz? Custou pois, mas agora, após este distanciamento, voltei a ser feliz. Sem ter sempre aquela mágoa atrás de mim, e aquela sensação de falha. Se um dia quiseres procurar-me sabes onde estou. Já não serei cega e crente como fui, mas no que poder ajudar, ajudarei. Sem expectativas, sem o carinho exacerbado que por ti nutria, mas com simpatia e apreço. Estás livre dos meus sermões, para sempre. Até depois, nini.

21 comentários:

Inês disse...

Está lindo! Tu estás bem?

Inês disse...

Sim, isso só te fará bem, acredita!

Inês disse...

Se elas não nos fizerem bem, é o melhor a fazer. Porque o que nos faz bem, permanece

Esther disse...

é tão fofo!! hoje pensei em mudar o design do meu blogue e quis por uma fotografia do mar no cabeçalho. qual nao é o meu espanto chegar aqui e ter uma visão do que quis fazer? está lindo Mariana!

Patrícia disse...

escreves tão bem

Ana Margarida disse...

Está tão bonito! A questão é: estás bem?

Inês disse...

Não sei essa história, mas acho que te percebo

may rose disse...

é verdade, sim senhora :')

Esther disse...

humm deve ser aquela que estou com um copo na mão?

sofs disse...

há sempre muitas histórias guardadas dentro de um grande amor :)

Inês disse...

É verdade, força

Esther disse...

sim, a saia é laranja e vermelha e amarela :))

Esther disse...

Boa noite Mariana*

Cláudiar* disse...

pois é.

Maria Inês. disse...

Custa sempre termos que deixar as pessoas ir. Mas nós damos sempre tudo nós e nunca é recompensado. Força, tenho a certeza que dessa amizade também ficou uma recordação muito boa, por isso, agarra-te a isso. :)

Margarida disse...

muito bom! mas, estás bem?

cláudiagomes. disse...

Como tu sabes aconteceu-me parecido.

may rose disse...

papel secundário fazemos nós nesta vida, porque personagens principais não existem.. não há felicidade constante.. quer dizer até há, temos é de a merecer (como me ensinaste) :')

Liliana disse...

Oh, como é bom vir aqui e deparar-me com um comentário desses. mais do que um elogio, é um privilégio merecer essas palavras vindas de ti. obrigada mariana, és um dos meus blogues diários e tu sabes que adoro :)

Liliana disse...

acho terno! mas nao apropriado x)

Blackbird disse...

Gostei mesmo do que fizeste com o rapaz :)

Quanto ao teu texto, eu já passei por isso e sei perfeitamente o que custa. Às vezes enganamo-nos a nós próprios e pensamos que as coisas vão ser diferentes mas não é bem assim. Com o tempo aprendemos a encontrar o nosso lugar ao lado de pessoas que nos dão o devido valor :)