5.9.12

laços


O mais difícil sempre foi desprender-nos. Deixar para trás os lugares que tão bem conhecemos e as pessoas que deciframos sem uma única palavra. Aquele sentimento de comodismo disfarçado, que é justificado pelo facto de sermos tão felizes assim que nos impede de ganhar coragem para ir um pouco mais longe. Porque nunca sabemos o que aí vem, e mesmo que o Futuro possa ser bem melhor, preferimos manter-nos onde estamos para não arriscar. Quem tudo quer, tudo perde, dizem. Mas quem nada faz, nada ganha,  contrario eu. Há-de chegar o dia em que seremos obrigados a deixar tudo o que conhecemos e seguir em frente. A questão é: seremos capazes de entender isso como oportunidade, ou iremos entrar em depressão por não querermos mudar?

5 comentários:

Cláudia Ribeiro. disse...

ADOREI*

carina disse...

achas? eu acho que se calhar já perdi o jeito para escrever

nicolemorais disse...

Obrigada:)
Bem, este texto... uau

m. disse...

Acho que conhecendo a sociedade como conheço, a segunda hipótese se adapta melhor.

Maria Inês. disse...

Obrigada, obrigada mesmo! Também és daquelas pessoas que eu sigo desde que aqui estou. Obrigada eu, por cada vês que me deste as tuas palavras de conforto e sempre que puder, virei aqui para perceber como estás. :)