1.9.12

Amanhã (domingo) é o meu aniversário. Não gosto especialmente do dia nem das comemorações quase sempre "exigidas" pela data. Para mim o dia de anos é o momento de colocar em perspectiva tudo aquilo que fiz, o que perdi e o que conquistei. Porque é a minha contagem pessoal que importa, na verdade. Amanhã faço 17 anos, mas a verdade é que cresci muito nos meus 16. Foi durante este ano que comecei a pensar a sério no futuro. Foi durante este ano que recuperei amizades perdidas que tinham acabado mal mas que agora estão muito fortes. Foi durante este ano que li alguns dos melhores livros até hoje. Foi durante este ano que apostei ainda mais de mim. E colhi os frutos. Foi durante este ano que fiz amizades fortes. E foi durante este ano que adorei e detestei a minha personalidade. Foi durante este ano que percebi que talvez ter telemóvel afaste quem está perto. Mas o que é certo é que me aproxima de quem está longe. Sorri a chorar. E chorei de sorrir. Beijei, beijei muito. Na água, ao sol, debaixo da chuva e em casa. Lutei pelo que sempre quis. Chorei com medo do futuro, com medo do futuro daquele que amo. Chorei com medo da minha possível operação. Ajudei a minha mãe a erguer com sucesso o seu próprio negócio. Dei-lhe nome e criei o logótipo, e sinto que aquele é o meu bebé. Apostei num curso que me pode abrir portas para o futuro. Estive quase a desistir da minha relação, mas com amor tudo se recupera. Senti ciúmes, muitos mesmo. E passei muitas horas acordada quando devia estar a dormir. Sorri. Umas 100 vezes por dia. E chorei, muitos dos dias foram passados a chorar. Descobri pessoas fantásticas aqui no blogue. E mantive debaixo de olho aqueles que sigo desde que aqui cheguei. Passei a barreira dos 200 seguidores. Deixei de roer as unhas. Chorei de saudades da minha prima e do meu namorado. Acordei a meio da noite a chamar por eles. Perguntei a alguém "ainda te lembras do que te faz feliz?", e durante as 24 horas seguintes tentei fazer um pouco de tudo o que me tinha dito. Abracei muito, cheguei a passar horas nos braços de alguém. Sorri abraçada, chorei abraçada, cantei e fiz silêncio nos braços de outro alguém. A minha casa foram os braços que me acolheram em dias de tempestade. Estudei muito para manter a média. Mas passei muitas tardes sem estudar a pensar nas saudades. Passei tempo demais comigo. Pensei mais do que em qualquer outro ano. Desisti e recomecei relações, tudo isto na minha cabeça e sem dar a entender a ninguém. Tentei salvar todos aqueles que me rodeiam do desespero e da tristeza. Percebi que a minha casa é onde eu me sentir bem. E tanto pode ser o sítio onde moro, como o sítio onde me sinto bem com quem amo. Desejei mudar de vida. Comecei a ponderar ir viver para outro país, talvez até para outro continente. Consegui, em alguns dias, arranjar mais uns mil motivos para te amar. E noutros dias desde-me vários motivos para desistir. Senti muitas saudades, mesmo. E achei que nem eu nem tu merecíamos tal. Cantei várias vezes por dia. Escrevi muito: como forma de me refugiar do mundo, como forma de conseguir raciocinar melhor, e como forma de imortalizar os pequenos momentos da minha vida. Tive necessidade de mudar o link e o perfil do blog, para que quem me rodeia não me atacasse com os meus próprios textos. Aprendi que a barreira que coloco entre mim e o mundo é bem necessário, porque há sempre alguém que mesmo assim a consegue furar e magoar-nos. Comecei a dizer às pessoas até onde podem ir. Não deixei que me apontassem defeitos de forma arrogante e agressiva. Tornei-me um cubo de gelo para alguns. E deixei o cubo de gelo transformar-se em cubo de açúcar para outros. Discuti muito com os meus pais, vi-os quase a desistirem mas eu não desisti de os mimar para que não se deixassem. E consegui. Aconselhei as pessoas que me rodeiam a reencontrarem-se. Tentei que ficassem mais felizes, e perdi parte deles por isso. Voltei a ter um tipo de amizades mais intenso porque as pessoas que há um ano atrás entraram na minha vida estavam habituadas a tal. Muitas das vezes fiquei magoada com elas por coisas que não me afectariam antes, mas que agora não consigo suportar. Conheci o que de pior há na sociedade. E o que de melhor há, também. O próximo ano poderá ser decisivo a nível de saúde, de profissão, de relações e tudo mais, mas este que hoje termina nunca será esquecido. O ano dos meus 16.

25 comentários:

Mafalda Sofia disse...

Espero que tenhas razão.

Rita disse...

Infelizmente.
Estou sem palavras para este teu texto :o

letters to you disse...

amoroso, no minimo, este post! amanhã cá estarei! até lá aproveita ate ao ultimo segundo dos teus 16, são sempre sweet :)))

Tiz disse...

Cada ano tem a sua história..
És um heroína por teres feito tudo aquilo que fizeste e, espero que nos teus 17 não sorrias 100 mas 1000 vezes por dia!
Vais ter todo o meu apoio :)

inês silva disse...

as pessoas são mesmo assim, passam-nos uma coisa de que não são na verdade, é triste...
quanto ao texto, está brutal como te disse. e a idade não importa quando há cabeça para fazer as coisas, o que fizeste nos 16 podes repetir ou melhorar nos 17, mas cada coisa a seu tempo...

nicolemorais disse...

Mesmo :)
Adorei! Espero que entres bem nos 17 anos.

Carolina disse...

Vais ver que será ainda melhor :)
O texto está lindo!

Ju disse...

Adorei, o texto está perfeito e revejo-me em muitas das tuas palavras!

Maria João Cardoso disse...

parabéns atrasados (:

Maria João Cardoso disse...

ah é só amanhã o:
devo ter ligo mal, então esquece que dei os parabéns e amanhã faz de conta que nada se passou quando eu tos der outra vez xD

cláudiagomes. disse...

um dos textos mais perfeitos que já escreveste.

Cláudia Ribeiro. disse...

Gostei do blog, sigo.

Maria João Cardoso disse...

porquê? achas que aquilo de partir espelhos e passar por debaixo de escadotes dá azar? :o

Cláudia Ribeiro. disse...

Carrega no link onde diz 'Seguir *' no meu blog.

Maria João Cardoso disse...

isso são mitos, o que tiver de acontecer, acontece!

cláudiagomes. disse...

que venham mais 16 e 16 com muitas experiências.

Cláudia Ribeiro. disse...

Está bem, obrigada por seguires.

sophia disse...

este é o teu melhor texto na minha opinião doce. espero que entres com um sorriso nos teus 17 anos<3

nicolemorais disse...

Claro que vai! :)

Sara C disse...

pois, acredito que sim. mas desta vez, comigo, está a demorar a passar.

inês silva disse...

parabéns princesinha :)

inês silva disse...

não tens nada para a agradecer, digo-te já :)

Maria Inês. disse...

Lembrei-me de ti, porque já tinha lido o texto antes, e vim dar-te os parabéns! E aproveita cada momento da tua vida, para que sempre que de ano para ano, a tua vontade de viver aumente sempre e sempre! *

o céu é o limite disse...

foste nomeada para um desafio no meu blog!

carina disse...

:) parabéns atrasados mariana

duasalmasdemaodada.blogspot.pt