16.6.12

do desgaste

Porque no início o amor é sempre bonito. A fase em que se assume o amor, em que tudo é novidade. Não é preciso muito para sorrirmos - na verdade não é preciso mais nada, porque toda a felicidade está em termos alguém. Depois o tempo passa. Os primeiros meses. As primeiras comemorações, que são todas diferentes ao longo do primeiro ano. Cartas, flores, chocolates e postais. Músicas e livros que passam a marcar os dois. E depois? Depois o importante é arranjar um ponto de equilíbrio: nem muito efusivo, nem muito desleixado. Porque é nesta fase em que tudo se torna mais complicado: manter uma relação, manter quem nos ama feliz, e deixar que quem nos ama nos mantenha feliz. Passamos o primeiro ano juntos. Recordamos o primeiro beijo, o primeiro amo-te. A primeira vez que jantamos juntos. A primeira vez que choramos um pelo outro. Fazemos um altar em volta do passado, e vivemos o presente de uma forma mais superficial. Segundo ano é complexo: já conhecemos bem a pessoa que temos do nosso lado, e estamos habituados a determinado nível de conforto. A rotina vem desgastar as palavras, enfraquecer sentimentos. Habituamo-nos a ter aquela que foi a razão do nosso sorriso do nosso lado. É um hábito, e por isso não temos de cuidar bem, não temos de fazer feliz nem variar, surpreender para fazer feliz. Convencemo-nos de que a pessoa já está conquistada. Mas é preciso continuar a cativar. Palavra bonita esta, não é? Cativar. Lembraste do significado que lhe demos? O que é certo é que as palavras magoam ainda mais a quem sente, e tentando fazer sentir, acaba desvalorizado.
Por isso vos deixo um aviso: ter alguém como dado adquirido nem sempre corre bem. Um dia podem acordar, e já não ter ao vosso lado aquele que sempre fez tudo por vocês, apenas porque se cansou de esperar por um obrigado, quando na verdade o que queria mesmo era em vez do obrigado era uma retribuição. Mas com a rotina a intervir, as pessoas acham que já nem a retribuição merecem. A verdade é que, sim, merecem. E nem deve ser servida de bandeja como uma retribuição. Deve ser uma ânsia, isso de fazer sentir valorizado quem nos valoriza; isso de fazer sorrir quem nunca saiu do nosso lado.

15 comentários:

mariana guerra disse...

estou a seguir (:

Esther disse...

mas é xD

Esther disse...

na minha opiniao a manha é feita para descansar e aproveitar esse descanso. e nao ha-de ser a dormir.. mas pronto.
se todos acordassem à mesma hora eu não acreditaria na confusão. manhã é manhã.

martasousa disse...

toda a gente diz isso querida, que eu tenho que me valorizar mais.

Raquel disse...

Claro que sim Mariana :) Adorei o texto e todo o enrendo. Acima de tudo o mais difícil não é propriamente conquistar a pessoa uma vez mas sim conquistá-la todos os dias e mostrar-lhe que amanhã ainda vale a pena estarem connosco.

mariana guerra disse...

oh obg, eu não acho que tenho mt jeito, mas mt obg (((:

ParadoxoSD disse...

Adorei o texto, concordo mesmo!

ParadoxoSD disse...

adorei o texto, concordo mesmo!

Rute Maia disse...

Depois de ter lido, foi impossível não me tornar seguidora; ADORO!

Camila disse...

Este texto podia ter sido escrito por mim.. a única diferença é que eu acho que no segundo ano podemos pensar que conhecemos a pessoa, mas na realidade não conhecemos.. conhecemos algumas coisas..
Mas sim, concordo contigo, no resto.
E na minha opinião, quando se gosta mesmo não há rotina que estrague isso. Quando se gosta mesmo as palavras têm o mesmo significado sempre, não só no inicio.

sf* disse...

Nem mais nem menos *
«tudo é mágico, até se tornar rotina.»

inêssilva* disse...

estou totalmente de acordo!

Rute Maia disse...

Não agradeças, foi um prazer!

Nat Souza disse...

Tirou de mim tudo que estava engasgadinho, procurando uma forma de ir para o papel. Lindíssimo.

Tiz disse...

Minha querida quando mandaste aquilo para o blog eu já não estava lá e não pude vir ontem aqui :x
esta tudo bem?