9.6.12

Amor Maior

O amor é verdadeiro e está presente de todas as formas. Quando estamos separados o amor é grande, muito grande, dividido entre o meu lugar e o teu, quando na verdade o nosso lugar é ao lado um do outro. E o amor quando estamos longe faz uma corrente invisível de saudade e de alegrias. E se estamos juntos o amor continua grande. Maior, talvez. Um Amor Maior que se expressa em sorrisos e lágrimas, em conversas e silêncios. Em carinho extremo ou apenas num olhar firme e confiante, como que a dizer eu estou aqui, eu vou estar sempre aqui; eu disse que não te abandonava nos momentos cruciais. Amor corrido e sem pausas, como se me sufocasse e eu tivesse de escrever e exprimir-me extremamente rápido antes de explodir, porque ele fervilha cá dentro, ele cresce e quase sufoca.
Ou o amor mais calmo e doce,
fluído como a espuma que sobe e desce nas ondas
nos altos e nos baixos, 
mas também na transição entre os extremos.

4 comentários:

Lia disse...

nem sei. temos falado quase todos os dias... mas não falamos de nada em especial, e estamos sempre quase que numa guerra a ver quem demora mais tempo a responder, enfim. andamos estranhos, sem cumplicidade! daí aquele texto...

Nina disse...

Necessito de viver na transição desses extremos. Sobretudo porque aprecio o amor de tirar o fôlego, entretanto gosto também de poder desfrutá-lo calmamente.
Sigo-te. Abraços.

Maria João Cardoso disse...

eu adoro ciúmes, adoro que eles os tenha porque sinto-me importante e se soubesses o quanto ele fica fofinho de beicinho meu deus. só que não o quero triste, e muito menos a pensar que eu não lhe pertenço, porque eu sou dele!

cláudiagomes. disse...

fácil falar.