26.3.12

Porque eu sempre fui de sofrer calada as minhas dores, e as cicatrizar sozinha. A partir do momento em que entrei numa relação fui perdendo essa hábito, essa mania de achar que tenho de me resolver sozinha. Tu desempenhavas bem o papel de ouvinte, de conselheiro e de companhia sempre presente, que nunca me largava a mão até eu estar bem, que não me deixava só até me fazer sorrir. Mas isso tem mudado. Coisas do presente e de um passado recente. Tens os teus problemas, tens as tuas decisões a tomar, e eu não tenho o direito de as condicionar. Por isso me calo, por isso me multiplico para te dar apoio e esqueço de mim, do papel que deves desempenhar na minha vida. Nos últimos tempos mentalizei-me de que não devo desabafar contigo se isso te prejudicar. Se te roubar tempo às preocupações, se te atrapalhar o estudo, se te stressar ainda mais. E por isso voltei ao ponto de partida. Voltei aos silêncios redobrados, ao semblante carregado e fechado que durante muito tempo me caracterizou.
Para mim as férias significam mais que descanso: são o momento em que me posso abrir contigo, voltar a dizer o que sinto, o que me atormenta, tudo isto sem medos ou condicionantes. Hoje foi o dia, hoje disseste que não devo guardar tudo para mim quando te tenho a ti. Fizeste-me acreditar que podia ser transparente porque tu ias cuidar de mim. E foi o que eu fiz. Desabafei, libertei o peso que tinha em mim faz tempo, mas mais do que isso mostrei o apoio que tens em mim, mostrei que te vou apoiar em tudo, independentemente da tua decisão ou de para onde o futuro te leve. Mostrei-te que não deves condicionar a tua vida por nós, porque se nós formos para durar, duraremos onde quer que estejamos. E no momento em que me calei, o que é que ouvi? O silêncio. O silêncio de um ser quase adormecido que me prometeu respostas no fim do meu desabafo. E o que me respondeste quando te perguntei se não tinhas nada a dizer-me depois do que acabavas de ouvir? Disseste tanta coisa, achas mesmo que me lembro de tudo? Achas mesmo que guardei tudo?
Pensa um bocadinho no fim de leres isto, porque eu sei que vais ler. E assim que leres e reflectires, diz-me algo.

6 comentários:

joana disse...

tens razão, vou pensar no que disseste

ana disse...

adorei o texto! o ser humano é egoísta de todas as maneiras... mas tem as suas prioridades estabelecidas

ana disse...

gostei muito. força*

Esther disse...

fico contente por ter causado esse efeito em ti, enfrenta tudo Mariana. Força! tu sabes o que vale a pena.
:)

cláudiagomes. disse...

Keep smiling? Não dá...
Há cenas que eu li por muito que eu ame e que me de-se vontade de lutar... não me deixam fazê-lo.

Ivy disse...

oh obrigada querida <3