24.3.12


Porque eu não esqueço nada. Não porque não queira, mas sim porque não consigo. As coisas acontecem, o tempo passa, mas a marca em mim nunca desaparece. Desvanece, quanto muito. Mas à primeira sílaba já proferida no passado, mesmo que num passado distante, eu lembro-me de toda a conversa em que aquela fonia foi libertada. Mas não lembro apenas palavras, ou conversas. Lembro pessoas, cores e lugares. Momentos perdidos noutra vida, por vezes mais feliz, por vezes mais sombria. Mais ausências que presenças, mas as presenças valem mais, valem por mais, e tapam a falta que um abraço no momento certo cria em nós.

8 comentários:

ana disse...

completamente!

micaela ♥ disse...

muito obrigada.

cláudiagomes. disse...

cada vez escreves melhor!

mariana disse...

é verdade :)

ana disse...

complicam sempre aquilo que não tem ciência nenhuma.

wendy disse...

deixa lá então (:

joana disse...

o texto está lindo, escreves tão bem!

cláudiagomes. disse...

ele acabou... por isso...