3.2.11

nas tuas mãos


«A tua cabeça rodou na direcção do meu rosto, os teus olhos fecharam-se e a tua boca avançou para a minha, através de uma lenta rota de luz, risos e lágrimas. Quando os teus dentes morderam os meus lábios alguém gritou «Bravo!» como na ópera e eu soube que nunca uma rapariga havia sigo assim amada.»

Inês Pedrosa, Nas tuas mãos