8.1.11

tempo, porque avanças?


Quando jovens tudo parece lindo, estamos sempre sorrindo, estamos sempre a viver. São tantas aventuras naquelas partituras que esboçam uma melodia, , dia após dia. Estamos sempre a viver. São tantos sentimentos, vividos naqueles momentos, e repetidos como exemplos. É tão grande a vivência que é tida sem prudência. Toda uma vida é descrita numa folha onde o branco contrasta com o negro da caneta, o oposto de todos os sonhos da juventude. 

Agora que crescemos, entendemos que sonhar é uma virtude. Agora crescemos e vemos que a aventura evaporou, que nada é o que era. Agora crescemos e vemos os laços desfeitos, que os pretéritos são imperfeitos, maravilhamos a vida a que éramos sujeitos. Agora, que vemos o que podíamos ter sido e os caminhos que devíamos ter seguido. Agora vemos tudo como belo, enquanto vemos os desabafos no papel que outrora era branco e se tornou amarelo. Não, espera. Foi o papel que mudou, ou foi a nossa forma de ver o mundo?

1 comentário:

Patrícia Monteiro disse...

o amor dá voltas e voltas , e atinge qualquer um +.+
tu escreves tão bem Mariana ;o