26.12.10

keep on walking


É ao caminhar num dia de chuva por uma estrada que parece não ter fim que sentimos tudo à nossa volta.  É como se mil agulhas perfurassem cada uma das nossas veias. E mais desesperante que o silêncio ensurdecedor que se faz sentir, onde apenas as gotas se fazem ouvir, é ser prisioneiro de uma rotina meticulosamente monótona, incompreensivelmente vivida. São repetidos pensamentos vezes sem fim. Do nada, vem o grito da revolta e percebemos que a nossa vida é tristemente incómoda. E mudámos, mudámos tudo. Porque nenhum tempo foi perdido, tudo será reaproveitado a tornar a vida melhor, ao lutar pela alegria às riscas e com estrelas, corações e arco-íris. Quando perdermos todo o tempo livre a olhar para as nuvens e repararmos nas suas formas engraçadas, quando olhamos para as crianças a brincar e sorrimos para elas, como que aceitando um convite para ser felizes. Aí, já estamos prontos para olhar para o passado, todas as memórias, todas as fotos e todos os textos que como estes foram escritos em alturas importantes, e percebermos, que crescemos ! 

5 comentários:

Patrícia Monteiro disse...

escreves tão bem Mariana +.+
utilizas as famosas palavras "caras" de uma forma espectacular *-*

Patrícia Monteiro disse...

eu tenho bem razão naquilo que digo, não exagero em nada ;o
o meu quarto na maioria das vezes anda assim, nunca tenho tempo para nada o.o

-silviafreitas- disse...

Colei mesmo +.+
Por muito que o passado doia foi com ele que crescemos e foi com ele que nos tornamos no que somos hoje.
Estes teus textos são mesmo lindos :'D
Tens mesmo jeito mariana :f

-silviafreitas- disse...

É mesmo isso :p

Patrícia Monteiro disse...

tens toda a razão :')
por vezes não há nada melhor que escrever ;D